sábado, 30 de agosto de 2008

Criança Mimada - Por Denny Guinevere Du Coudray


Não me faça rir!

Com teus julgamentos inúteis,

Sei o que aflige teu seu coração

És uma criança mimada,

Que me olha com maus olhos.

Não sei o que lhe fizeste

Pra guardar tal rancor

De tuas lágrimas ouço os temores

Que se desvendam diante de ti.

Não sinto mais medo e

Nem receio de te ver partir

Um dia esteve em mim

Porém agora só resta o vazio

Que outrora era pleno de luz

E agora arrebatou-se no inferno.

3 comentários:

Lady Mila disse...

quando a gente acha que entendeu o sentimento de aqlguém, essa pessoa mostra mais uma vez ser diferente..
é passo muito por isso tbm...

Adriano Siqueira disse...

Quando eu li este poema não pude deixar de lembrar da minha infância. Uma vez a minha mãe colocou o dedo no meu café com leite para tirar a nata. (odeio nata) E eu não quis mais! Isso me deixou bravo e nao queria mais tomar café da manhã. É engraçado ver isso agora e entendi que ela só tinha feito isso para o meu bem, porque eu queria.

Pequenas coisas que só damos valores mais tarde. Como tudo na vida.
Somos todos mimados. :-)

Obrigado pelo poema Denny.
Dri

Malina disse...

Gostei do poema, da segurança e da lucidez apesar do tema.
Como sempre: parabéns Denny.