segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Amantes - Por Denny Guinevere Du Coudray


Já passava das onze da noite quando atravessamos o salão gótico do qual amigos, meu namorado e eu tinhamos ido naquela noite.

Meu nome é Morgana e venho relatar aqui o que houve naquela noite em que descobri o verdadeiro significado da palavra perigo. Eu e Filth estávamos brigados de certa forma naquela hora, ele não demonstrava coisas da qual eu precisava sentir. Nós dois caminhávamos de mãos dadas sem proferirmos uma única palavra um ao outro.

Os amigos dele haviam notado algo estranho, o olhar repreensivo que eu direcionava a Filth denunciava meu mal-estar em sair de improviso com os meninos deletando meu desagrado.

Quando chegamos no salão, nos separamos. Filth fora agitar com Hernandes deixando-me sozinha no meio do salão. “Não esta noite, Filth” – pensava eu enquanto agitada meu corpo conforme a música. Meu passo ficava mais ousado enquanto por baixo dos meus cabelos loiros e encaracolados vigiava meu namorado de longe.

Drielly estava junto deles. Ela era ex-namorada do Filth e como toda namorada atual, desaprovava a companhia dela de certo modo, não conversávamos, porém, mantínhamos a educação se cumprimentando na frente de outros.

Drielly e Nanda se aproximaram e começaram a agitar, Eu peguei as mãos das duas formando um trio no meio do salão cheio de góticos.

“Que vontade de morder este pescoço’ – pensava eu ao ver a maneira em que Drielly agitava o corpo sedutor á minha frente”.

__ Já venho. – disse Nanda se afastando de nós e indo de encontro aos meninos que se encontravam mais atrás. “O que faço agora? Continuo de mãos dadas com ela?” – perguntas sem respostas que eu fazia em minha mente ao observar o semblante da jovem gótica.

Juntamos mais, cada vez meu corpo se aproximava do dela dando sinais de excitação junto a música que tocava alto em nossos ouvidos. Mais perto... Mais perto... Até que nos beijamos. Senti a boca molhada dela na minha saciando minha sede e vontade de ser desejada. O beijo fora se tornando ofegante. Ela não ficava com mulher pelo menos ao que eu sabia. E eu deveria ter sido a primeira.

Um amigo nosso se aproximou meio perplexo ao ver nossa atitude, logo se animou.

__ Que beijo heim meninas? – disse ele com sorriso maldoso nos lábios. Não respondi. Ela também não.

Disfarçamos enquanto íamos para o fundo com o resto do povo.

“Ele teve ter visto – pensei. – Acho que á esta altura nosso relacionamento anda decaindo”.

Fui ignorada pelo Filth a noite inteira, ele se empenhou em ajudar uma “amiga” que passava mal. Ficaram a noite inteira conversando, e eu os vendo ali relutei contra meus sentimentos que pareciam cavalos selvagens prontos á devorar alguém.

Hernandes que mal falava comigo estava no bar próximo a nós, conversávamos alegremente. Particularmente ele era lindo, mas eu o achava muito chato, apesar do estilo gótico ele parecia do tipo “riquinho” e “mimado”.

__ Vamos agitar? – disse Hernandes entre sorrisos e galanteios.

__ Claro. – disse eu olhando para a parede onde Filth se encontrava com a garota.

Fomos para o fundo, estávamos em quatro pessoas. Eu e Drielly agitávamos de mãos dadas com Hernandes. Ele nos auxiliava e sorria para nós.

Sensualidade. Desejo. Excitação. Traição. Infidelidade. Sem limites.

Segredos que cada pessoa carrega consigo, estas são coisas que devíamos ignorar e que pode nos levar a loucura. E pode nos fazer vir a romper um namoro fixo, como o meu.

Hernandes se aproximava cada vez mais. A esta altura não me recordo bem quem beijou quem primeiro. Quando dei por mim, estávamos os três enlaçados boca a boca.

Drielly e Hernandes se beijavam enquanto eu os segurava pelas mãos. Revezávamos.

Enquanto agitávamos nossos corpos, nossa língua se encontrava aumentando o tesão dos três amantes.

Ao som de Sweet Dreams – Eurythmics. Curtíamos o momento presente. Amantes. Criminosos. Eram com estes olhos que as pessoas admiravam e criticavam o que estávamos fazendo.

Nesta noite eu perdi meu namorado. E ganhei nova experiência.

Se pudesse lamentar o que houve não o faria, não me arrependo de nada que tenha feito.

3 comentários:

Camus disse...

Poow sempre ela coom esses Coontos Magniifiicos , ameeiii *-* parabeen's Suuceesooo .' Tee amoo

Malina disse...

Estou pensando aqui.... quantas vezes já usei a palavra "perfeito" para elogiar seus contos??
Vezes suficientes não? rsrs
Adorei esse conto, muito real, tomado de sensações gostosas....

parabéns novamente Denny!!

beijões!!

Adriano Siqueira disse...

seduçao messsssmo... ótimo conto..