segunda-feira, 28 de julho de 2008

Bem vinda as trevas- por camila Bernardini


Bruna caminhava só por ruas quase desertas, quase sem iluminação. Olhou para o céu, a lua brilhava forte, estava magnífica, completa, do jeito que ela gostava. Continuou andando, sem rumo, perdida em pensamentos angustiantes. Já era altas horas da madrugada, por isso não estranhava a quietude dos lugares em que estava passando. Tudo era silêncio e solidão total.
Parou em frente um prédio espelhado, para ver o seu reflexo. Via uma menina branca, de quase 1,80, olhos pequenos, cabelos ondulados, compridos e vermelhos. Sabia ser bela, mas as preocupações a deixaram com algo diferente, um ar de tristeza a rondava, fazendo com que ela parecesse cansada. Sorriu para si mesma, e viu que o efeito do seu sorriso já não era tão forte como antes. Decidiu continuar sua caminhada noturna.
Uma voz sussurrou em seu ouvido para que fosse andar entre os túmulos do cemitério, onde estava próxima. Não sabia de onde vinha essa voz, mas achou ser seu subconsciente, pois era cética de mais para acreditar em coisas “fora do normal”. Olhou em sua mochila, viu duas garrafas de vinho e um maço de cigarros, tudo que precisava para passar o resto da madrugada.
Chegando ao cemitério, ficou um longo tempo olhando para o portão, dali de fora não conseguia enxergar muita coisa. Tratou logo de dar um jeito de entrar. Já lá dentro, pegou uma garrafa de vinho, sorvendo a em pequenos goles, pois queria estar sóbria ainda, para apreciar um pouco daquela arte tão obscura. Aquele cemitério, cheio de estátuas, sepulturas de incrível arquitetura e epitáfios que mais pareciam poemas para estarem em um dos livros dos poetas do mal-do-século.
Andando por entre as lápides, sentia-se em contato com o mundo da morte e da vida ao mesmo tempo, sabia que esse momento de solidão em lugares assim era para refletir e encontrar um motivo para continuar. Foi perdida em pensamentos que tudo começou, foi sentindo e escutando passos, que deveriam estar atrás dela, um pouco distante, mas não teve dúvida de que alguém estava a seguindo. Parou de andar, ficou congelada, paralisada pelo medo. Não conseguia dar passos para frente e nem olhar para trás, foi então que viu que o quer que fosse que estivesse também ali se aproximava. Estava perto. Seu coração bateu descompassado, foi então que correu. Corria sem nem saber do que, só queria estar segura. A garrafa de vinho escapou de suas mãos, caindo no chão, fazendo um barulho que a assustou mais ainda.
Queria continuar correndo, mas seus malditos pulmões não agüentavam mais, ou ela corria, ou respirava. Lembrou do cigarro em sua bolsa, e pensou: “Se eu sair dessa paro de fumar”. Encostou seu braço em um túmulo, estava frio... Frio como a morte que logo a alcançaria se ficasse ali. Tentou correr de novo, mais tarde de mais. Mãos a agarraram, segurando de tal forma que Bruna, não conseguia nem se mover. Ficou parada então, esperando o próximo passo desse estranho. Foi então que sentiu as mãos dele se moverem para seu pescoço, fazendo longo carinho ali, onde pulsava a jugular. Eram mãos frias, como de um cadáver. Ela sentia seu corpo tremendo, não sabia se era medo ou a repulsa de cada toque dele a sua pele.
O estranho então virou Bruna, para que ela pudesse olhá-lo de frente. Ela não se contendo gritou com o que viu. Parecia um homem normal, exceto sua pele excessivamente pálida e seus olhos que pareciam duas chamas vindas do inferno.
-Assustada Bruna?
A voz dele era mais sobrenatural ainda, uma voz como de um fantasma. De alguém que não precisava de ar. Ela não o respondeu. Ficou só o olhando, foi então que o viu sorrir:
- Sim está com medo, isso fará com que meu alimento seja muito mais saboroso. Sinto o cheiro de medo em você menina.
Bruna agora via duas presas pontiagudas, saindo de sua boca. Eram dentes de vampiros. Ele um vampiro? Não podia acreditar! Ela não teve tempo de pensar em mais nada, as presa logo alcançaram a pele de seu pescoço, perfurando-a. Era estranho, o medo tinha sumido, sentia um prazer, um êxtase estranho. Aos poucos sua visão foi ficando turva, sentia-se fraca até que desmaiou.
O vampiro sorriu, era uma bela garota, o medo dela o excitou mais ainda. Ficou olhando para aquele corpo no chão, seria desperdício deixá-la morrer. Ajoelhou-se perto do corpo imóvel de Bruna, e a beijou. Bruna aos poucos foi retomando os sentidos, sentindo o gosto de sangue. Sugou todo o sangue que pode daquele vampiro. Ele então a soltou e disse:
-Bem vinda às trevas!
Ela sorriu, já não sentia mais medo. Agora pertencia mesmo aquele lugar, vagaria naquele cemitério entre a morte, espreitando qualquer sinal de vida que ali passasse para saciar sua sede.

3 comentários:

Denny Guinevere Du Coudray disse...

Reconhecemos um bom escritor quando este nos convida a entrar em seu mundo por aquili que escreve, foi isto o que vc fez comigo, me levou no local onde acontecia o fato... Fico impressionada com seu talento. PArabens.... Vc realmente é maravilhosa!

Malina disse...

Muito interessante seu conto Mila, parabéns!!

Adriano Siqueira disse...

A maturidade está em destaque neste pequeno conto que mostra claramente o começo deuma nova vida, mas madura mais responsável.
Por vezes passamos por esta fase e sempre que vemos um novo amanhecer é como se nosso passado se tornasse mesmo outra vida, outra reencarnação.
Somo sempre beneficiados pelas mudanças que o destino nos leva e são graças estes caminhos que os vampiros sobrevivem eternamente.
O que é bom em todo este caminho são as pessoas que conhecemos nele.
Seu texto é ótimo Mila.
uma verdadeira aula para dizer que morremos e vivemos todo o dia.

Adriano Siqueira